Para que serve a vitamina A?

Author Google Plus - Dicas dieta

vitamina A

A vitamina A, conhecida também como retinol, é essencial para a formação da púrpura visual na retina, a qual é possível ver na escuridão. O betacaroteno, precursor da vitamina A que se encontra nos vegetais, possui propriedades antioxidantes, o qual significa que protege as células contra o dano tóxico diário da oxidação.

Muitas vezes ouvimos falar dos benefícios que tem para nosso corpo a vitamina A, sobretudo no funcionamento adequado de nossa versão, porém, os benefícios desta vitamina não se limitam somente a isto, mas pode contribuir de múltiplas formas ao bem estar do nosso corpo em geral.

Vitamina A benefícios

O benefício mais comum que se atribui à vitamina A é o de melhorar a visão, isto se deve porque a vitamina ajuda a prevenir a degeneração macular, prevenir cataratas e melhorar a qualidade da visão distinguindo da melhor forma a luz e a escuridão.

A vitamina A é, além disso, um fortalecedor do sistema imunológico, incrementando as defesas de nosso organismo para combater doenças. Ao fortalecer o sistema imunológico, a vitamina A também contribui para que as áreas de nosso corpo sejam mais propensas à entrada de infecções e se mantenham saudáveis.

Esta propriedade da vitamina A nos ajudam a sermos menos propensos a infecções respiratórias, urinárias e do trato intestinal, sendo algumas frutas ricas nesta vitamina o tomate, a cenoura, o ovo e o leite.

Uma propriedade que possui a vitamina A em favor de nosso corpo é a eliminação dos radicais livres, o que favorece a saúde a nível celular como o mirtilo. A vitamina A funciona como antioxidante, favorecendo o bem estar geral do corpo, com o qual seremos menos propensos a desenvolver doenças como o câncer.

Devido às suas propriedades antioxidantes e de fortalecimento do sistema imunológico, o consumo de vitamina A promove que as células realizem um bom trabalho na regeneração dos tecidos de nosso corpo, com o qual se busca manter uma saúde ótima da pele, os ossos e os dentes, eliminando células mortas e tornando-as mais resistentes aos agentes externos.

Desta propriedade regeneradora, a vitamina A ganhou grande popularidade recentemente nos tratamentos de beleza. Podemos encontrá-la em máscaras, tratamentos para o cabelo ou cremes corporais, já que previne e corrige alguns dos danos que os fatores ambientais provocam na pele e no cabelo como a semente de abacate.

A vitamina A, portanto, tem muitos benefícios para o corpo, além de melhorar nossa visão. A principal vantagem é que podemos encontrá-la em muitos dos alimentos que consumimos diariamente como cenouras, vegetais de folha verde, brócolis e produtos lácteos. Seguir uma dieta adequada nos permitirá obter as quantidades diárias de vitamina A que nosso corpo necessita para manter a saúde.

Excesso de vitamina A

O consumo excessivo de vitamina A não está isento de riscos. Algumas pessoas abusam nos meses que antecipam o verão e durante o verão, a fim de obter um bronzeado mais seguro. Mas há provas científicas que demonstram seus efeitos nocivos quando a ingestão é exagerada. O consumo extra de complexos vitamínicos ou de vitaminas isoladas pode afetar, em longo prazo, os órgãos que as metabolizam.

A ingestão excessiva de vitamina A pode superar as necessidades biológicas. Estas são estimadas em 800 Equivalentes de Retinol (RE) para mulheres adultas (cerca de 2667 unidades internacionais de retinol) e 1000 Equivalentes de Retinol para homens adultos saudáveis (3.300 unidades internacionais de retinol). A vitamina A é essencial para o bom funcionamento do corpo, mas por ser solúvel em gordura e armazenar-se no fígado, as insuficiências deste complexo são muito raras.

Seu consumo em excesso é considerado tóxico em longo prazo. Pode causar efeitos nocivos nos órgãos que a metabolizam (olhos, ossos e fígado). A abundância deste componente está associado com a visão turva, perda de peso, falta de apetite e osteoporose, entre outros sintomas. Os suplementos de vitamina A, ou betacaroteno, são motivos de preocupação para os profissionais de saúde, embora eles possam ser comprados sem receita médica em farmácias e lojas especializadas.

Outras vitaminas, como D, E, K e C, ácido fólico e vitamina B12, também podem causar alterações orgânicas, se tomadas em excesso, sob a forma de suplementos sem julgamento médico.

Risco de fratura óssea

Os cientistas advertem que o excesso de betacaroteno estimula a reabsorção óssea “in vivo”, ou seja, o desaparecimento parcial ou total do tecido ósseo ao inibir sua formação. De acordo com estes dados, recentes estudos observacionais sugerem que uma alta ingestão de vitamina artificial em forma de suplemento pode ser associado a uma menor densidade mineral óssea e ao aumento do risco de fraturas e de osteoporose.

Apenas um estudo prospectivo (projetado para determinar a relação entre uma doença e uma característica compartilhada por alguns membros de um grupo) avaliou o efeito da suplementação de vitamina A na remodelação óssea e massa óssea. A pesquisa foi realizada pelo Instituto do Envelhecimento, da Universidade de Wisconsin, em Madison (EUA). Nela se avaliou a densidade óssea em homens saudáveis após a suplementação com doses mais elevadas de vitamina A disponível. Participaram 80 homens entre 18 e 58 anos de idade. As mulheres não foram incluídas neste estudo, devido aos potenciais efeitos teratogênicos (malformações no embrião ou feto) de uma alta dose de vitamina A.

Durante as seis semanas do teste, metade dos homens no jantar recebeu um comprimido diário contendo 7.576 microgramas (25.000 unidades internacionais) de betacaroteno, em forma de palmitato de retinol. A conclusão do estudo, com as limitações de uma pequena amostra, foi que, no curto prazo, a ingestão da dose estudada em voluntários saudáveis não altera os marcadores séricos – fosfatasa alcalina óssea, osteocalcina sérica, N-telopeptídeo do colágeno tipo 1-, que identifique o processo de remodelação do osso.

Portanto, é pouco provável que a sua administração possa contribuir em curto prazo ao desenvolvimento da osteoporose. No entanto, a contribuição de suplementos vitamínicos em longo prazo poderia ter efeitos adversos na saúde dos ossos, porque os especialistas pretendem realizar estudos prospectivos de longa duração para estabelecer os seus níveis de segurança.

Medidas em excesso para a saúde dos olhos

Os suplementos de betacaroteno são usados com sucesso para tratar a doença degenerativa do olho, conhecido como retinite pigmentosa ou pigmentaria. Assim se chama um grupo de distúrbios oculares hereditários que envolvem a retina, a camada nervosa sensível à luz que reveste a parte de trás do globo ocular e provoca uma perda progressiva da visão.

Dado o risco de excesso de vitamina A para outros órgãos como ossos, foi feito um estudo que avaliou a segurança da ingestão diária de uma dose de vitamina A inferior a 7.500 RE ( 25.000 Unidades internacionais) em adultos entre 18 e 54 anos de idade com retinite pigmentosa e saudável. Os resultados apontam que as doses indicadas acima das administradas são consideradas tóxicas após sua utilização em longo prazo, tal como seguem esses pacientes para tratar sua doença degenerativa.

O perigo na gravidez

vitamina A

O único estudo epidemiológico determinou a teratogenicidade da ingestão de uma dosagem alta de vitamina A sintética em forma de suplementos foi publicada mais de uma década na revista médica “New England Journal of Medicine”. A pesquisa, conduzida pelo Departamento de Medicina da University School of Medicine Boston (EUA), examinou entre Outubro de 1984 e Junho de 1987 a 22748 mulheres. Destas, 339 haviam tido bebês com má formação e a 121 das crianças receberam o diagnóstico de problemas de má formação na crista neural cranial (extremidade cefálica do embrião), a parte do corpo que é afetada por uma super dosagem de vitamina A.

A falta de vitamina A

A vitamina A foi descoberta em 1913, quando foi demonstrado experimentalmente que, se a única gordura nas dietas de animais jovens foi à banha, seu crescimento foi adiado, mas quando foi substituído pela manteiga, os animais cresciam e engordavam. A substância que tinha na manteiga, mas não na banha, verificou-se também conter a gema do ovo e o óleo de fígado de bacalhau e foi nomeado vitamina A. Mais tarde determinou-se que muitos produtos vegetais tinham propriedades nutricionais semelhantes aos apresentados na vitamina A em alimentos de origem animal.

Verificou-se que continham um pigmento amarelo, o caroteno, que é convertido em vitamina A no organismo. A pré vitamina A ou retinol é uma vitamina solúvel em gordura encontrada apenas em produtos animais. Os carotenoides podem atuar como uma provitamina. Existem muitos carotenoides nas plantas, mas o mais importante para a nutrição humana é o betacaroteno, o qual pode ser convertido em vitamina A por ação enzimática na parede intestinal. O leite materno é uma fonte importante de vitamina A para as crianças.

A falta de vitamina A afeta com frequência e de maneira importante os olhos e pode levar à cegueira. A xeroftalmia, que significa sequidão nos olhos (da palavra grega xeros que significa seco), é o termo usado para incluir manifestações oculares decorrentes da falta de vitamina A. A deficiência de vitamina A também desempenha um papel em vários quadros médicos não relacionadas com os olhos, e pode ajudar a aumentar a taxa de mortalidade infantil, especialmente em crianças com sarampo.

Demonstrou-se que os animais de laboratório com dietas pobres em vitamina A podem influenciar na presença de infecções agudas. Além do olho, a carência de vitamina A também afeta adversamente as superfícies epiteliais, e está associada com o aumento da incidência de alguns tipos de câncer, incluindo o câncer de cólon. As manifestações oculares graves da deficiência de vitamina A causam destruição da córnea e cegueira, e são observados principalmente em crianças. Esta doença algumas se denomina ceratomalácia.

Até recentemente, a falta de vitamina A foi uma carência relativamente negligenciada, talvez pelas seguintes razões:

– Os esforços de saúde pública e nutrição estão concentrados no controle da desnutrição proteicoenergética (PEM), com a qual se associa a deficiência de vitamina A, e que a forma mais importante de desnutrição em países não industrializados;
– Onde predomina a xeroftalmia havia poucos oftalmologistas ou funcionários da área da saúde que pudessem diagnosticar corretamente a doença;
– A doença ataca crianças pequenas que mantêm as pálpebras fechadas por longos períodos, ou os pais não a percebem e procuram atenção médica muito tarde, quando a córnea é irreversivelmente danificada;
– Por causa das taxas de mortalidade da xeroftalmia avançada ser elevadas, relativamente poucas crianças cegas sobrevivem na comunidade, o que reduz a importância social e a visibilidade do problema.

No entanto, recentemente, a Cúpula Mundial da Infância (1991) e a Conferência Internacional de Nutrição (1992) exigirão a eliminação virtual da falta de vitamina A e suas consequências, incluindo a cegueira, até o ano de 2000. Atualmente, é dado muito mais importância ao controle da falta de vitamina A.

Alimentos com vitamina A

Patê de Fígado

vitamina A

O fígado de qualquer animal é cheio de vitaminas e minerais, e sempre é preparado no vapor ou frito com cebola e ervas. O fígado oferece a maior quantidade de vitamina A, cerca de 100 gramas. Uma colher de sopa de patê de fígado fornece 429 UI (9% DV) da vitamina A, e uma colher de chá de óleo de fígado de bacalhau fornece 500 UI (10% DV).

Colorau, pimenta vermelha, pimenta caiena, pimenta em pó

vitamina A

Uma colherada de sopa de colorau contém 3.691UI (74% DV) de vitamina A, ou 52735 UI (1,055% DV), uma porção de 100 gramas. Outro pó de pimenta vermelha tem quantidades similares: a caiena em pó fornece 41.610 UI (832% RDA) por cada 100 gramas, 2.081UI (42% DV) por colher de sopa.

Batata Doce

vitamina A

Com a sua cor laranja, a batata doce fornece 19.218 UI (384% DV) por cada porção de 100 gramas, 38.436 UI (769% DV) por cada xícara de purê ou 21.909 UI (438% DV) por uma batata doce média.

Cenouras

vitamina A

As cenouras são excelentes cruas ou cozidas. Cem gramas de cenoura crua fornecem 16.706 UI (334% DV) de vitamina A, 10191 UI (204% DV) por uma cenoura de tamanho médio e 2069 UI (41% DV) para uma cenoura picada.

Verduras de folhas verdes

vitamina A

Frescas e deliciosas, as verduras de folhas verdes são excelentes em saladas ou cozido ao vapor. Como benefício, também são ricas em cálcio. O repolho verde ou a couve oferece a maior quantidade de vitamina A 15.376 UI (308% DV) por cada porção de 100 gramas, 10.302 UI (206% DV) por cada copo. Seguido pelo Nabo (232% DV), as folhas de mostarda (210% DV), as folhas de dente de leão (203% DV), o espinafre (188% do valor diário) e a couve (133% DV).

Abóbora

vitamina A

É laranja escura e com um delicioso e doce sabor. Cem gramas cozidas fornecem 11.155 UI (223% DV) de vitamina A, ou 22.868 UI (457% DV) por cada xícara.

Ervas secas

vitamina A

As ervas secas são cheias de vitaminas. Crie o hábito de adicionar uma pitada de ervas secas para preparar tudo. A salsa seca proporciona a maior quantidade de vitamina À com 10.184 UI (204% DV) a cada porção de 100 gramas, ou 204 UI (4% DV) por cada colher de sopa. Seguido do manjericão seco (188% DV), da manjerona (161% DV), e do orégano (138% DV).

Alface

vitamina A

O tipo de alface importa quando se trata de vitamina A. As alfaces de cores escuras fornecem a maior quantidade de vitamina A, as de folhas vermelhas e verdes fornecem 7492 UI (150% DV) por cada 100 gramas, 2098 UI ( 42% DV) de uma xícara de folhas picadas e 1.274 UI (25% DV) em uma folha. A alface tipo Iceberg (alface americana) só proporciona UI 5.02 (10% DV) por cada 100 gramas, 361 UI (7% DV) por uma xícara de folhas picadas e 75 UI (2% DV) por folha.

Frutas com vitamina A

Damascos secos

vitamina A

Os damascos secos são ótimos como lanches: 100 gramas fornecem 3.604 UI (72% DV) de vitamina A, um copo, 4.685 UI (94% DV) e 144 UI (6% DV) por cada unidade.

Melão

vitamina A

O melão amarelo ou laranja é uma excelente fonte de vitamina A. O melão fornece 3.382 UI (68% RDA) de vitamina A por cada porção de 100 gramas, 5.986 UI (120% DV) numa xícara de pedaços picados, ou 2.334 UI ( 47% DV) em uma fatia de tamanho médio.


Comentários via Facebook


Comentários no site

Somente os comentários no site que terão revisão dos administradores

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas
Tags
Copyright © 2013-2017 Dicas Dieta - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por: Templateparawordpress.com